sexta-feira, 7 de setembro de 2012

ENTRE ASPAS.

“3:41 da manhã. O silêncio é penetrante e agradável, porém, é rompido pelo barulho estridente do telefone. ─ Alô? ─ fala ele, sonolento. ─ Olha, não quero que tome providências, e se reaproxime de mim. Só quero que escute o que eu tenho que te dizer agora, e depois pode voltar ao seu sono tranquilo. O que eu vou te dizer agora está entalado em minha garganta há algum tempo, desde o sono término. Quero que saiba que eu te amo, e que nunca te esqueci. Que nunca deixei de pensar em você, e que não suporto ficar sem a sua presença. Você terminou comigo, e eu já me conformei com isso, mas queria que você soubesse que eu jamais traí você. Que nada daquilo que você soube aconteceu. Naquele dia do shopping, eu fui com o seu melhor amigo porque precisava dele. Eu queria te surpreender, eu queria fazer algo bom pra você, algo que te impressionasse. Você foi a melhor coisa que já me aconteceu, em toda a vida. Você é a razão dela. Eu não posso viver sem você. Quer dizer, até posso, mas não seria bem uma vida. Você é o meu ar, minha água. Você é a junção de todas as coisas que eu preciso para sobreviver. Eu sei que agora, a coisa que você mais quer é dormir, quer que eu lhe deixe em paz. Sei que você dormiu tarde, pois fica a noite inteira estudando, para se dar bem na faculdade e provar a todos os que queriam te ver no chão, que você é capaz. Sei que você se sente sozinho nessa cama imensa, que necessita da presença de alguém ao seu lado. E sei também, que você precisa de mim. Que você não admite, mas precisa. E eu preciso de você, eu preciso muito. Sinto falta de acordar todas as manhãs e te ter ao meu lado. Sinto falta de suas brincadeiras bobas e irritantes, que por fora me deixavam com raiva, mas por dentro me deixavam com um prazer imenso. Sinto falta do seu abraço forte, e de seu beijo suave e fervoroso. Sinto falta de usar as suas camisas, que são mais confortáveis que minhas próprias roupas. Lembra aquele dia em que saí na rua com uma de suas camisas? Em mim, elas eram do tamanho de um vestido médio. Todos olharam pra mim, mas não me importei. Não me importei porque estava ao lado da pessoa mais importante do mundo pra mim. Ou aliás, o meu mundo particular. Sinto falta de você me chamando de gordinha. Sinto falta do som da sua voz, rouca e agradável, no meu ouvido, dizendo que me ama. Quando você terminou comigo, foi como se o mundo tivesse desabado. Como se farpas longas e afiadas espetassem todo o meu corpo. Mas eu aceitei, tive de aceitar. Não tive como questionar. Você estava irritado demais, e não ouviria a verdade. Aliás, não acreditaria. Mas eu já te disse a verdade, eu jamais te traí. Como poderia? Você é o único pra mim, sempre foi. O amor mais verdadeiro. Agora, se quiser desligar, ou até jogar o telefone pela janela, eu entenderei. Ao menos já lhe disse tudo isso, agora você sabe a verdade, queria acreditar nela ou não. Eu te amo. Sinto muito. Soluços se seguem após a última frase, e ela desliga o telefone. Desliga, pois sabia que não obteria resposta vinda da parte dele. Se deita em sua cama, e seu choro se torna mais intenso. O seu celular toca. Ela fica surpresa, mas não tem esperanças. ─ Alô? ─ fala ela, a voz não passava de um sussurro. ─ Desculpa por ter sido um idiota. Desculpa por tudo. Eu te amo, sempre te amarei, não importa o que aconteça, isso jamais vai mudar. Eu sinto sua falta, todas as noites. Jamais vou gostar de alguém como gosto de você. E eu preciso de você, como o ar para respirar. Agora, por favor, abre a porta. Tá frio aqui fora e preciso de você para me esquentar. Ela sorri e corre em direção a porta. Encontra-o, ainda com roupas de dormir ao pé da porta, com um sorriso estonteante. Ela o abraça, e tem a certeza de que era com ele que queria e ia passar o resto da vida.”
 — Eu preciso de você como o ar que preciso para respirar. Gabriella Ruivo

2 comentários:

  1. Nhha, que lindo!
    Adoro este estilo romântico. Penso seriamente em coisas parecidas com este texto, e já cheguei a ver uma tirinha parecida com ele na época que tive facebook, mas nunca uma texto gracioso e intenso como este.
    Beijos

    Dá uma passada no meu blog, pode ser que você goste:
    http://dressa-pensamentos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Obrigada linda , não é de minha autoria esse texto, mais leia os outros quem sabe você goste *-*, vou entrar no seu blog sim

    ResponderExcluir