quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ninguém é obrigado a (não) gostar de alguém

Quem nunca foi rejeitado deve ser alguém que nunca esteve apaixonado. Quem nunca rejeitou deve ser alguém que nunca despertou paixões. Rejeitar é difícil - claro, para quem se importa com o outro. Ser rejeitado é doloroso, mas nem tanto. O que mais machuca não é a rejeição em si, não é o descobrir que não se é amado da mesma forma como se ama. Amar é nada mais do que a certeza de gostar de alguém e a possibilidade de retribuição, e todos sabemos disso. O que pode machucar na rejeição é a indefinição, a falta de respeito e a covardia. O que machuca é o outro não ter a dignidade de dizer "não estou interessado" em alto e bom som, é o outro se rejeitar até a te rejeitar. Um "não" dito quando necessário é libertador para quem escuta, opera milagres. Agora, a maioria não tem a dignidade de dizer "não", prefere se fazer de cego, surdo e mudo e deixar que o outro decifre sinais ou a falta deles. Às vezes, não rejeitam o outro para continuarem tendo alguém interessado que lhes massageia o ego, por vezes, não rejeitam por medo de um dia quererem o outro, o velho "não quero ter, mas não quero perder". Tem também quem não rejeita com medo de "magoar" o rejeitado. Mas saiba, poucas coisas no amor magoam mais do que alguém fazer da sua vida uma incerteza. Agora, ser rejeitado? Nada que paciência, maturidade e uma pitada de orgulho não curem. Todos sabemos que ninguém é obrigado a gostar de alguém. Mas nos esquecemos de que ninguém é obrigado a não gostar de alguém. Isso mesmo, a pessoa que você rejeitou tem o direito de gostar de você, todo mundo tem. Por isso, é seu dever respeitar esse sentimento. Então, se alguém gosta de você, se alguém te ama e você não sente o mesmo, diga, rejeite, mas sobretudo liberte. Não deixe quem te ama no chão, sem sequer sabe se foi jogado fora, se caiu do seu bolso sem querer ou se será pegado de volta a qualquer momento. Se disser a verdade você pode ter a certeza de que não será lembrado por quem te amava como alguém que o rejeitou, mas como alguém que o respeitou. Se tiver coragem de dizer que não sente o mesmo, você não será lembrado como alguém que não o correspondeu, mas como alguém que o acolheu. Então, é só escolher como quer ser lembrado e, se me permite o conselho: não queira ser o responsável por transformar o amor que alguém tinha por você em uma lembrança ruim. Rejeição a gente supera e reverte, desprezo nem sempre.


Escrito por - Ruleandson do Carmo, Jornalista, 26 anos, BH/MG, mestre em Ciência da Informação, especialista em Criação e Produção para Mídia Eletrônica, professor do curso de Jornalismo da Ufop, é o personagem sem roteiro de uma comédia romântica sem fim e o vazio que une amores de cinema aos amores reais. http://www.eusoqueriaumcafe.com





Nenhum comentário:

Postar um comentário