quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Não perca tempo.

Existem aqueles, que acreditam que a vida é como uma estrada. Curvas ingrimes, e caminhos diferentes - as escolhas que deve tomar. Já eu, acredito que a vida, é como uma corda bamba. Uma corda bamba nivelada. Níveis para ultrapassar, barreiras para quebrar. No início da vida, a corda está à poucos centímetros do chão. E ao seu lado, sempre há alguém para lhe segurar. À medida em que o tempo passa, a corda se afasta do chão. E você têm de aprender à se equilibrar e caminhar, sozinho. Durante a sua caminhada pela corda bamba da vida, muito provavelmente, outras cordas irão cruzar com a sua. Pessoas que caminharão ao seu lado. Muitas delas, terão de tomar destinos diferentes. Elas podem voltar um dia, ou, mais provavelmente, não. Mas ainda assim, você não deve parar no meio do caminho. Deve respirar fundo, equilibrar-se novamente, e continuar caminhando. Ainda que só. Firme e confiante. […] Faz tempo que não se diverte, não é? Que não sente a adrenalina fluindo por entre suas veias. Que não dá gargalhadas. Que não se aventura. Ou que não faz algo que lhe deixe exausto, e satisfeito. Pois então, levante este “popozão” da cadeira, do sofá, ou de onde quer que ele esteja. Ponha seus fones de ouvido, coloque pra tocar a sua música predileta no último volume. Saia na rua, sorria para seus vizinhos, também para os estranhos, e cumprimente-os. Vá até um parque de diversões com seus amigos, vá numa montanha russa, e grite de emoção. Divirta-se. Deixe a adrenalina fluir nas tuas veias. Chega de ficar se lamentando. Anime-se. E por falar nisto, por que lamentas? Pela tua aparência física que não lhe agrada? Por um coração partido? Um amor não correspondido? Bem, para a aparência física que não é de seu agrado; sei que não importa o que eu diga, “você é lindo(a), bem do jeito que é”; por mais que seja verdade, você não vai acreditar. Pois então, levante-se e faça com que isso mude. Exercite-se. Não faça nada radical demais, apenas tente sentir-se bem, consigo mesmo. Para o coração partido, o mesmo. Ficar choramingando, não vai fazer com que seu “príncipe encantado” caia nos teus braços. E não procure por um, para se apaixonar, basta estar distraído. E para um amor não correspondido, como sabe que não é correspondido? Arrisque-se. Vai que ele(a), sente o mesmo por ti? Vamos lá. “Ou vai, ou racha”. E seja lá qual foi o seu problema, a vida é curta demais para se deixar levar por eles. Amontoe tudo aquilo que não lhe traz benefício, e enfie num bolso. Mas, num bolso furado. Para que seus problemas caiam pelo caminho, e você possa esmagá-los. E não deixar com que tornem á lhe atormentar. […] Curto é o espaço entre o início, e o fim da corda bamba da vida. Então, viva. Liberte-se. E divirta-se. Para que quando chegue no ponto final da corda bamba, e lhe questionarem: “o que você fez lá?” Você possa responder orgulhosa e convictamente: “eu vivi”


(Ana Karolyna)

Nenhum comentário:

Postar um comentário