quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Ela Sonhava em ser adulta.




Desde pequena sonhava com o incrível dia de ser adulta. Queria crescer, queria cortar etapas. Pular fases e ser a tal adulta que via em filmes. Queria ter aquele cabelo perfeitamente bagunçado. Um carro da moda. Um amor verdadeiro. Queria ser certamente, aquela bela mulher que via em capas de revistas. Sonhava e planejava seu trabalho. Mesmo não sabendo o que queria realmente ser. Sempre foi assim, adulta demais para sua simples idade. Menina pequena, com um pensamento grande. Coração batia forte, sempre que sonhava com seu príncipe encantado. […] Percebiam de longe, seus sonhos. Estavam ali. Estampados para todos verem, em seus olhos. Mas poucos conseguiam se aprofundar nela. Era incógnita. Era pensativa. Era ela. Era excluída por ser diferente. Ela mesmo se excluía. Ela mesmo se criticava. Ela crescia rapidamente. Não, não pense que era de tamanho. Sempre foi a baixinha da turma. Ela crescia no pensamento e nos sonhos. Crescia de acordo com suas lutas diárias. Sempre forte. Sempre sorrindo. Sempre daquele jeito. Tinha medo de mudanças, medo de ser trocada. Medo de palavras novas, pessoas diferentes. Medo do novo, medo do fora da rotina. Medrosa. - Risos - […] Mas enquanto muitas pensavam em brincar, ela queria achar um amor. Enquanto muitos brincavam de mamãe e filho, ela queria ter um alguém para cuidar. Sempre foi assim, mais rápida do que muitos. Ouvia músicas com sentidos. Se encontrava em decepções. Sempre. […] Falava que fazia tudo o que fazia, porque queria. Mas no fundo, sabia que fazia para se sentir adulta. - Até hoje não sei o que via de tão bom em ser adulta. - Mesmo assim, queria crescer. Mesmo com todos dizendo que ser adulto era ter que trabalhar e assumir novas posições na vida, ela não voltava atras. Era aquilo que ela queria. Era o que pensava que era. - Mas teve um dia que entendi. - Ela queria ser adulta. Não uma simples adulta. Ela só queria deixar de ser criança. Queria ser amada. Queria atenção. Achava que só sendo adulta, sendo diferente que receberia algo que certamente, iria receber daqui a uns dois ou três anos. Queria de qualquer jeito, ter alguém para mandar mensagens e dormir colado. Era isso. Era isso que achava de ser adulta. […] Simplesmente, para ser amada.




Mal ela sabia, que realmente não era nada disso que ela sonhava. Mais ela queria apenas ser amada.






(Ana Karolyna)

2 comentários: